Benefícios do Leite segundo a Ciência

Publicado em 16/11/2021 15:14:00 por Piracanjuba

O leite é um alimento milenar, consumido há mais de 10 mil anos e com uma riqueza nutricional. Possui nutrientes essenciais, ou seja, indispensáveis para o corpo, como os aminoácidos (leucina, lisina, metionina, fenilalanina, triptofano e valina), que são pequenas partes que constituem a proteína, além de diversas vitaminas e minerais. 

Um ponto importante é a alta qualidade da proteína, pois, além de conter uma proporção adequada de aminoácidos, a capacidade do organismo de aproveitá-las é superior à de outros alimentos. Essa avaliação é feita por meio de índice utilizado por Órgãos Internacionais, como a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO/OMS), em que valores acima de 1.0 se referem à proteína de excelente ou alta qualidade e, de 0.75 a 0.99, de boa qualidade. Observe abaixo como o índice do leite se destaca frente a outros alimentos fonte de proteínas: 


Analisando não só a qualidade, mas a quantidade de proteína, o leite também é considerado uma bebida que contribui para o alcance diário das necessidades proteicas. Observe abaixo como a quantidade de proteínas no leite se destaca, quando comparado às bebidas vegetais. 


Outro destaque importante são os micronutrientes presentes no leite: ele é rico em cálcio, fósforo, magnésio e vitaminas do complexo B. O mais interessante é que a combinação desses nutrientes propicia uma melhor absorção e aproveitamento desses elementos, ou seja, mesmo que outro alimento contenha a mesma quantidade de cálcio, o do leite é melhor aproveitado pelo corpo, por ter proporções também adequadas de magnésio e potássio.

Já falamos sobre os componentes do leite e seus nutrientes, porém, quais são os benefícios que eles trazem à saúde? Veja no quadro abaixo todos os benefícios do leite: 

- Auxilia no crescimento dos músculos;

- Previne osteoporose;

- Previne depressão e ansiedade;

- Auxilia no funcionamento do sistema nervoso;

- Ajuda no controle da pressão arterial;

- Contribui para a saciedade;

- Possui propriedades que previnem o câncer, principalmente o de cólon;

- Previne contra as doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes tipo II;

- Possui propriedades anti-inflamatórias.

E quanto ao consumo, será que todas as pessoas podem tomar leite? Existem dois grupos que precisam suspender ou restringir o seu consumo. O primeiro, é relativo àqueles que possuem alergia à proteína do leite, que é mais comum no primeiro ano de vida, ocorrendo entre 2-7,5% da população. E o outro grupo, são os intolerantes à lactose, que podem continuar consumindo o leite, porém, em versões sem lactose. 

Concluindo, a riqueza nutricional do leite é indiscutível, é uma ótima fonte de proteína de alta qualidade, com diversos papéis no corpo, além de ter vitaminas importantes e minerais essenciais. Seu consumo está associado a vários benefícios, como na saúde óssea, muscular, prevenção de doenças crônicas não transmissíveis e até propriedade anti-inflamatórias. Sendo assim, o leite pode fazer parte de uma alimentação variada e equilibrada. E você? Já tomou seu leite hoje?



Referencias:

Scholz-Ahrens, K.E., Ahrens, F. & Barth, C.A. Nutritional and health attributes of milk and milk imitations. Eur J Nutr 59, 19–34 (2020).

Pereira PC. Milk nutritional composition and its role in human health. Nutrition. 2014 Jun;30(6):619-27.

Consultation, FAO Expert. “Dietary protein quality evaluation in human nutrition.” FAO Food Nutr. Pap 92 (2011): 1-66. 

Food and Agriculture Organization of the United Nations. Dietary Protein Quality Evaluation in Human Nutrition: Paper 92. Rome, Italy: Food and Agriculture Organization of the United Nations; 2013.

Mathai, John K., Yanhong Liu, and Hans H. Stein. “Values for digestible indispensable amino acid scores (DIAAS) for some dairy and plant proteins may better describe protein quality than values calculated using the concept for protein digestibility-corrected amino acid scores (PDCAAS).” British Journal of Nutrition 117.4 (2017): 490-499.

Rutherfurd, Shane M., et al. “Protein digestibility-corrected amino acid scores and digestible indispensable amino acid scores differentially describe protein quality in growing male rats.” The Journal of Nutrition 145.2 (2014): 372-379.

Leser, S. “The 2013 FAO report on dietary protein quality evaluation in human nutrition: recommendations and implications.” Nutrition Bulletin 38.4 (2013): 421-428.

Marinangeli, Christopher PF, and James D. House. “Potential impact of the digestible indispensable amino acid score as a measure of protein quality on dietary regulations and health.” Nutrition reviews 75.8 (2017): 658-667.

Phillips SM. Current Concepts and Unresolved Questions in Dietary Protein Requirements and Supplements in Adults. Front Nutr. 2017 May 8;4:13.

Davies, R. W., Carson, B. P., & Jakeman, P. M. (2018). The Effect of Whey Protein Supplementation on the Temporal Recovery of Muscle Function Following Resistance Training: A Systematic Review and Meta-Analysis. Nutrients, 10(2), 221.

DEVRIES, M.C.; PHILLIPS, S.M. Supplemental protein in support of muscle mass and health: advantage whey. Journal of food science, v. 80, n. S1, p. A8-A15, 2015

VAN VLIET S.; BURD N.A.; VAN LOON L.J. The Skeletal Muscle Anabolic Response to Plant- versus Animal-Based Protein Consumption. J Nutr. Sep;145(9):1981-9, 2015.

Willett WC, Ludwig DS. Milk and Health. N Engl J Med. 2020 Feb 13;382(7):644-654. doi: 10.1056/NEJMra1903547.

TACO - Tabela brasileira de composição de alimentos / NEPA –UNICAMP- 4. ed. rev. e ampl. -- Campinas: NEPAUNICAMP, 2011

Piracanjuba. Disponível em:< https://piracanjuba.com.br/>. Acesso em: 20, mai 2021.  

Thorning TK, Raben A, Tholstrup T, Soedamah-Muthu SS,Givens I, Astrup A (2016) Milk and dairy products: good or bad for human health? An assessment of the totality of scientific

Drouin-Chartier JP, Brassard D, Tessier-Grenier M, Côté JA, Labonté M, Desroches S, Lamarche B (2016) Systematic review of the association between dairy product consumption and risk of cardiovascular-related clinical outcomes. Adv Nutr 7(6):1026–1040.

Aune D, Norat T, Romundstad P, Vatten LJ (2013) Dairy products and the risk of type 2 diabetes: a systematic review and products and the risk of type 2 diabetes: a systematic review and dose-response meta-analysis of cohort studies. Am J Clin Nutr 98(4):1066–1083.

Gao D, Ning N, Wang C, Wang Y, Li Q, Meng Z, Liu Y, Li Q (2013) Dairy products consumption and risk of type 2 diabetes: systematic review and dose–response meta-analysis. PLoS One 8:e73965.

Soedamah-Muthu SS, Verberne LD, Ding EL, Engberink MF, Geleijnse JM (2012) Dairy consumption and incidence of hypertension: a dose–response meta-analysis of prospective cohort studies. Hypertension 60:1131–1137

Labonté MÈ, Couture P, Richard C, Desroches S, Lamarche B. Impact of dairy products on biomarkers of inflammation: a systematic review of randomized controlled nutritional intervention studies in overweight and obese adults. Am J Clin Nutr. 2013 Apr;97(4):706-17.

Bordoni A, Danesi F, Dardevet D, Dupont D, Fernandez AS, Gille D, Nunes Dos Santos C, Pinto P, Re R, Rémond D, Shahar DR, Vergères G. Dairy products and inflammation: A review of the clinical evidence. Crit Rev Food Sci Nutr. 2017 Aug 13;57(12):2497-2525.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. ed., 1. reimpr. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

ULVEN, Stine M; HOLVEN, Kirsten B; GIL, Angel; RANGEL-HUERTA, Oscar D. Milk and Dairy Product Consumption and Inflammatory Biomarkers: an updated systematic review of randomized clinical trials. Advances In Nutrition, [S.L.], v. 10, p. 239-250, 1 maio 2019. Oxford University Press (OUP).


    Compartilhe com seus amigos

MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA PARA VOCÊ!