Sono: como a alimentação pode influenciar?

Publicado em 22/06/2022 11:01:00 por Piracanjuba

Especialistas em geral concordam que o sono tem um papel fundamental na nossa saúde. Porém, aproximadamente metade da população dorme menos do que deveria. Esse dado é preocupante, já que noites revigorantes são essenciais para o adequado funcionamento do metabolismo e estão diretamente relacionadas à alimentação. Quando dormimos menos do que o necessário, o nosso apetite aumenta e há maior tendência de consumir alimentos mais calóricos, ricos em gorduras e açúcares. Isso acontece porque ocorre uma alteração na produção de hormônios responsáveis pela regulação da fome, saciedade e glicemia. Veja como tudo isso acontece e de que forma o sono impacta na alimentação:




Esse processo é cíclico. Isso quer dizer que, quanto melhores são as escolhas alimentares, mais chances existem de ter uma noite de sono boa e reparadora. E quanto pior for o período de sono, maior será a necessidade de consumo de alimentos calóricos, ricos em açúcar e gordura. Ou seja, esses processos estão intimamente ligados. Observe:



Dessa maneira, para contribuir com uma noite bem dormida, é preciso investir em uma alimentação balanceada que proporcione e estimule uma noite de sono tranquila e satisfatória. Assim, é recomendado evitar alimentos estimulantes como: café, chocolate, chá-mate, chá-preto, chá-verde, refrigerantes, guaraná em pó, bebidas energéticas e gengibre. E aliar o consumo de alimentos que possuem propriedades potenciais de promoção do sono, como, por exemplo, o leite.

Em muitos países ocidentais, o leite de vaca é tradicionalmente considerado uma bebida tranquilizante, com capacidade de indução do sono. Estudo realizado há mais de 80 anos relatam que adultos que consumiram leite com flocos de milho exibem uma maior tendência para ter um sono ininterrupto. Recentemente, alguns estudos demonstram que uma parte da proteína do leite, os peptídeos, podem influenciar em uma melhor qualidade do sono. Além disso, o leite também possui triptofano, um aminoácido percursor de serotonina, que proporciona a sensação de relaxamento e bem-estar e pode, por consequência, ajudar a dormir.

Sendo assim, cuidar da sua alimentação, pode trazer muitos benefícios para um sono de qualidade e que realmente cumpra o seu papel regenerativo e reparador. Cuide da sua saúde, da sua alimentação, e tenha noites bem dormidas. Seu corpo agradece!


Referências:

Killick R, Banks S, Liu PY. Implications of sleep restriction and recovery on metabolic outcomes. J Clin Endocrinol Metab. 2012 Nov;97(11):3876-90.

Cedernaes J, Schiöth HB, Benedict C. Determinants of shortened, disrupted, and mistimed sleep and associated metabolic health consequences in healthy humans. Diabetes. 2015 Apr;64(4):1073-80

Nedeltcheva AV, Scheer FA. Metabolic effects of sleep disruption, links to obesity and diabetes. Curr Opin Endocrinol Diabetes Obes. 2014 Aug;21(4):293-8.

Potter GD, Skene DJ, Arendt J, Cade JE, Grant PJ, Hardie LJ. Circadian Rhythm and Sleep Disruption: Causes, Metabolic Consequences, and Countermeasures. Endocr Rev. 2016 Dec;37(6):584-608.

Dashti HS, Scheer FA, Jacques PF, Lamon-Fava S, Ordovás JM. Short sleep duration and dietary intake: epidemiologic evidence, mechanisms, and health implications. Adv Nutr. 2015 Nov 13;6(6):648-59.

McHill AW, Wright KP Jr. Role of sleep and circadian disruption on energy expenditure and in metabolic predisposition to human obesity and metabolic disease. Obes Rev. 2017 Feb;18 Suppl 1:15-24.

Knowles OE, Drinkwater EJ, Urwin CS, Lamon S, Aisbett B. Inadequate sleep and muscle strength: Implications for resistance training. J Sci Med Sport. 2018 Sep;21(9):959-968.

St-Onge MP. Sleep-obesity relation: underlying mechanisms and consequences for treatment. Obes Rev. 2017 Feb;18 Suppl 1:34-39.

Peuhkuri K, Sihvola N, Korpela R. Diet promotes sleep duration and quality. Nutr Res. 2012 May;32(5):309-19.

    Compartilhe com seus amigos

MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA PARA VOCÊ!